Depois de ter iniciado, junto com outros missionários americanos os trabalhos no Brasil; primeiro no Rio de Janeiro (rua do Catete), depois em São Paulo (Piracicaba) 1835, examinando o mapa de Minas Gerais, o Rev.Ranson se deteve a escolher a progressista e jovem cidade de Juiz de Fora, que já era ligada ao Rio de Janeiro por estrada férrea – Central do Brasil e de rodagem – União e Indústria (inaugurada por Mariano Procópio em 1861).

Foi assim que, em 18 de maio de 1884, o Rev. Ranson dispôs-se a enviar para Juiz de Fora os seus companheiros de luta: Samuel Elliot (suíço), Gernan Gartner (alemão) e Ludgero de Miranda, sendo os dois primeiros de origem luterana. Eles faziam os preparativos, vendendo bíblias e novos testamentos; e distribuindo folhetos, também convidando as pessoas a assistirem conferências religiosas. Porém, exatamente na véspera da viagem a Juiz de Fora, sua esposa adoeceu, sendo constrangido a bater altas horas da noite à porta do Rev. J.L.Kennedy e rogar-lhe que fosse substitui-lo.

O bom servo atendeu, embora tivesse sido transferido há pouco tempo de Piracicaba para o Rio de Janeiro. Chegando a Juiz de Fora, o Rev. Kennedy e sua família hospedaram-se por alguns dias no Hotel dos Bambus, no centro da cidade, e logo deu início ao seu trabalho.Em 1885 chega a Juiz de Fora o Rev. Ranson, para substituir o colega Rev. Kennedy. Neste mesmo ano, iniciou um trabalho de Escola Dominical, com 11 colonos, num local próximo ao Curtume Krambeck. Depois comprou um prédio da ex-capela católica da Cia. União da Industria situada a Rua Mariano Procópio; nascia assim a primeira igreja Metodista de Minas Gerais, sendo o Rev. J.L. Kennedy o primeiro pastor metodista a pisar em solo mineiro.

Esse templo foi aumentado de tamanho várias vezes, até que foi mudado para Rua Imperatriz no local onde hoje é a agência dos Correios. Mas a obra continuava a crescer, sendo necessário a construção de um novo e amplo templo; foi assim que em 21 de agosto de 1904, com uma doação 30.260 réis (cerca de um dólar), iniciou-se uma campanha para construção do atual templo, tendo como organizador o Rev. Charles A. Long. Esta campanha durou quase 20 anos.

Em 1º de abril de 1923, iniciou-se a compra de tijolos, pedras, areia, etc. E somente em 2 de agosto de 1923 foi colocada a pedra fundamental pelo Bispo Hoyt M. Dobbs, pelo superintendente distrital César Dacorso Filho, Rev. Charles A. Long, Dr. .Eduardo Menezes Filho (vice prefeito da cidade), o comitê de construção e outras autoridades. O Arquiteto foi Sr. Wiley C1ay, mandado ao Brasil para o movimento do centenário do Metodismo, tendo como administrador o Rev. Long, e como construtor Miguel Bordili.

Em 25 de outubro de 1924, por falta de espaço, foi solicitada a permissão para escola dominical se reunir no porão do Templo em construção. O trabalho de construção era lento mas contínuo.

Finalmente em 1º de outubro de 1927, deu-se a inauguração pelo Rev. Charlees A. Long., convidado pelo Rev. José de Azevedo Guerra, pastor da igreja na época.

por Ministério da Memória IMC/JF

Fontes: Historia do Metodismo no Brasil – José Gonçalves Salvador
Juiz de Fora, a Cia. União Indústria e os alemães – José Luiz Stheling – Bibl. Museu Mariano Procópio

Pastores
Titular: Rev. Osman de Oliveira Ferraz
Coadjutor: Rev. Luiz Carlos C. Rampinelli
Coadjutor: Rev. Eliseu Peroni